terça-feira, 31 de julho de 2012


Será que nós brasileiros também estamos caminhando para esse fim?

Janitors With College Degrees and the Higher-Education Bubble

Students are paying a bigger share of their college bills, parents are paying less, and families are beginning to turn away from well-known and expensive colleges in favor of cheaper ones, including community colleges or anything near home. So says the 2012 version of Sallie Mae’s annual report, “How America Pays for College,” a collection of dry statistics that nevertheless reflect the rapidly rising anxiety about higher education and whether the cost is worth it.

The anxiety seems justified amid the growing number of students who, after running up $100,000 in student loans, take $25,000-a-year jobs after graduation—placing them in a position akin to the postcrash debtors whose homes are now worth less than what they owe on them.


Glenn Reynolds, the professor and pundit who runs the influential site Instapundit, has popularized the term “higher education bubble,” Some dark scenarios see several hundred colleges disappearing as students turn to online education or skip higher education altogether. Pundits like George Will have embraced the bubble theory (“Many parents and the children they send to college are paying rapidly rising prices for something of declining quality”) and billionaire Peter Thiel, who spotted the housing bubble early, is now paying selected students not to go to college.
Sallie Mae’s report offers a brighter view. It says students and parents strongly agree that higher education is a worthwhile investment in the future and 70 percent think college is needed more than ever. That’s comforting, but several arrows point in the other direction. Almost 54 percent of recent college graduates are underemployed or unemployed, even in scientific and technical fields, according to a study conducted for the Associated Press by Northeastern University researchers. The study said college grads under the age of 25 were more likely to work at Starbucks or a local restaurant than as engineers, scientists, or mathematicians.

Bureau of Labor Statistics data show that as many as one out of three college graduates today are in jobs that previously or historically have been filled by people with lesser educations or none. The U.S. now has 115,000 janitors with college degrees, along with 83,000 bartenders, 80,000 heavy-duty truck drivers, and 323,000 waiters and waitresses.
Employers, because they realize that many college graduates aren’t really educated, now routinely quiz job seekers on what they majored in and what courses they took, a practice virtually unknown a generation ago. Good luck if you majored in gender studies, communications, art history, pop culture, or (really) the history of dancing in Montana in the 1850s.

Current and former collegians now owe more than $1 trillion in student loans—and only 26 percent of the debtors are currently paying anything back, down from 38 percent five years ago. (These loans cannot be discharged in bankruptcy, a reform imposed to stymie borrowers who would graduate and promptly file for bankruptcy.)

The cost of college rose 440 percent between 1982 and 2007, compared with cost of living increases of 106 percent and family income growth of 147 percent over the same period. The Sallie Mae report indicates that even students from high-income families are taking out student loans—27 percent used federal loans in 2012, up from 19 percent last year.

According to the “Bennett hypothesis,” named for former U.S. Secretary of Education William Bennett, federal aid doesn’t help students because colleges and universities just cream off the extra money by raising prices. Peter Wood, now president of the National Association of Scholars, recalls numerous meetings of college administrators where the topic was setting tuition for the next year.

“The regnant phrase was ‘Don’t leave money sitting on the table,’” he writes. “The metaphoric table in question was the one on which the government has laid out a sumptuous banquet of increases of financial aid. Our job was to consume as much of it as possible in tuition increases.”
Where does all that money go? Much of it to lavish spa-like facilities and grand new construction, including $100 million or so for multicultural centers and sports stadiums. The debt taken on by colleges has risen 88 percent since 2001, to $307 billion. Jeff Selingo of the Chronicle of Higher Education writes about a “lost decade” of wild campus spending: “The almost insatiable demand for a college credential meant that schools could raise their prices and families would go to almost any end, including taking on huge amounts of debt, to pay the bill. In 2003, only two colleges charged more than $40,000 a year for tuition, fees, and room and board; by 2009, 224 were above that mark.” And now many are inching toward (or past) $50,000 a year.

A good deal of the money also goes to a spreading bureaucracy of administrators, who now outnumber teachers on American campuses. They work in multicultural programs, deal with the blizzard of government paperwork, and have job titles unheard of a decade or so ago: “Assistant Director of Residential Education,” “Vice President for Strategic Enrollment Management,” and “Student Services Program Coordinator.” Colleges gain another windfall by employing “adjuncts,” the serfs of the academic world, who teach for about $3,700 per course. Adjuncts and other “contingent faculty,” such as lecturers, make up more than half of college and university teachers.

Meanwhile, learning has presumably decreased—students are studying 50 percent less than a couple of decades ago. Courses are often watered down and much easier. Pop-culture courses are spreading—studying Lady Gaga, Madonna, or a TV sitcom is no longer unusual—and grade inflation, which long ago virtually abolished the F, has made the C obsolescent as well. But rigorous courses can still be found, and as Sallie Mae reports, families remain confident that a degree from a good college is a reliable ticket to the good life.

Colleges are entering a critical period, but so far the customers still believe.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Terapia contra micobactérias baseada no genótipo do hospedeiro

Figura adaptada de Tobin et al, 2012, Cell.
Vitor R R de Mendonça
Em um estudo recentemente publicado na Cell, Tobin e cols. associaram estados pró-inflamatórios e anti-inflamatórios induzidos pelo gene LTA4H (leukotriene A4 hydrolase) e a terapia imunomoduladora na infecção por micobactéria em zebrafish e humanos. 
A primeira parte do estudo mencionado foi realizada no peixe zebrafish infectado pelo Mycobacterium marinum. Observou-se que larvas de zebrafish alteradas geneticamente com perda da função do LTA4H tinham altos níveis da lipoxina, uma molécula anti-inflamatória que aumenta a susceptibilidade à infecção pelo M. marinum através da inibição da transcrição do TNF. Baixos níveis de TNF aumentam a necrose e o crescimento bacteriano intramacrofágico. Por outro lado, larvas de zebrafish com aumento da transcrição do gene LTA4H estão associadas com maiores níveis de leucotrieno B4 (LTB4), produto da reação catalisada pela LTA4 hidrolase (vide figura acima). O aumento dos níveis da molécula pró-inflamatória LTB4 foi relacionado à elevação da concentração de TNF, que também foi associada a uma maior susceptibilidade do zebrafish à infecção pelo M. marinum por aumentar a necrose de macrófagos e o crescimento extracelular das bactérias. Portanto, tanto a alta como a baixa expressão de LTA4H estão associadas à infecção pela micobactéria, sendo por uma resposta anti-inflamatória induzida pela lipoxina ou através de uma resposta pró-inflamatória pelo LTB4, ambas tendo o TNF como molécula efetora.
A segunda parte do estudo consistiu em verificar alterações genéticas no LTA4H em humanos que possam influenciar na evolução da meningite tuberculosa (uma das formas graves da tuberculose em humanos). Verificou-se que um SNP (single nucleotide polymorphism) rs17525495 C/T na região de início de transcrição do gene LTA4H está correlacionado com níveis diferentes da sua enzima. Homozigotos mutantes (T/T) apresentaram os maiores níveis de RNAm e da proteína LTA4 hidrolase, enquanto os homozigotos selvagens (C/C), os menores níveis; tendo a condição heterozigota (C/T) níveis intermediários de LTA4H. Os autores perceberam que as alterações genéticas induzidas em larvas de zebrafish para modificar a expressão de LTA4H já existiam naturalmente em humanos. 
O próximo passo de Tobin e cols. foi verificar se este SNP poderia influenciar na evolução e terapêutica dos indivíduos com meningite tuberculosa. O uso de glucocorticóides (dexametasona) como tratamento anti-inflamatório contra a meningite tuberculosa é controverso devido a um modesto efeito benéfico evidenciado em diversos estudos. No seguimento de 182 pacientes vietnamitas com meningite tuberculosa, percebeu-se que aqueles com os genótipos T/T (alta expressão de LTA4H) e C/C (baixa expressão de LTA4H) tiveram maior mortalidade do que heterozigotos C/T. Observou-se que a terapia anti-inflamatória com dexametasona aumentou significativamente a sobrevida em indivíduos T/T e diminuiu naqueles C/C. Entretanto, os indivíduos C/C tiveram maior sobrevida enquanto aqueles T/T tiveram alta mortalidade no grupo que não usou a dexametasona (vide figura acima). Portanto, o uso da terapia anti-inflamatória seria benéfica apenas nos indivíduos T/T por terem um padrão de resposta pró-inflamatória pelo excesso de LTB4 e TNF. Nos pacientes C/C com padrão de resposta anti-inflamatória secundária a níveis elevados de lipoxina e menores concentrações de TNF, o uso de dexametasona pode inclusive aumentar a morbimortalidade.
A terapêutica baseada no genótipo do paciente é um avanço científico para entender e superar os fatores individuais relacionados à resistência ao tratamento das enfermidades. O estudo de Tobin e cols. merece atenção especial devido aos dados robustos e pioneiros, assim como pela argumentação coerente. Contudo, outros estudos em diferentes populações e com outras doenças inflamatórias serão necessários para ratificar a relevância da terapia baseada no genótipo do LTA4H proposta pelo trabalho supracitado.
Tobin DM, Roca FJ, Oh SF, McFarland R, Vickery TW, Ray JP, Ko DC, Zou Y, Bang ND, Chau TT, Vary JC, Hawn TR, Dunstan SJ, Farrar JJ, Thwaites GE, King MC, Serhan CN, Ramakrishnan L. Host genotype-specific therapies can optimize the inflammatory response to mycobacterial infections. Cell. 2012 Feb 3;148(3):434-46.

domingo, 29 de julho de 2012

Uma experiência inesquecível

De volta ao blog, pensei em escrever algo sobre minha estadia de seis meses nos USA, no laboratório do Dr. Ricardo Gazzinelli na Universidade de Massachusetts (UMASS). Para uma natalense matuta, Não foi fácil chegar na fria Worcester- Massachusetts.  Lugar diferente, mas tinha o que eu procurava: laboratórios maravilhosos. Animais KOs, técnicas e materiais necessários disponíveis e, detalhe, sem demora. Ficava a maior parte do meu dia e noite no laboratório. Conheci muita gente que publica alto e cheguei a discutir meus experimentos com esse pessoal. Bom demais poder falar sobre suas ideias e resultados.

Os meus colegas indianos compartilhavam a madrugada no lab comigo. Conheci também muitos brasileiros, americanos, romenos, paquistaneses, chineses, iranianos....

A comida americana não foi fácil tolerar, mas sobrevivia com a culinária mexicana, indiana, árabe e chinesa. A lagosta, comida típica da região de Massachusetts, quando experimentei, também não gostei. Vinhos de boa qualidade e baratos era algo no mínimo apreciável. O café americano é difícil para quem gosta de um sabor mais forte.

Conheci Boston no congresso da Sociedade Americana de Imunologistas. Uma palestra marcante foi o da Kate Fitzgerald que demonstrou o mecanismo completo de ativação da caspase-11, regulado por TRIF e IFN do tipo I. Tal cascata de sinalização é ativada pelas bactérias gram-negativas. Esses resultados foram recentemente publicado na Cell (veja aqui).

Um dia antes de retornar ao Brasil, decidi ir a Boston novamente conhecer o museum of fine arts. Lugar inesquecível, onde tive a oportunidade de apreciar os quadros do Monett. Emocionante! No final da minha visita fui ao Public Garden. Apaixonante!

Estudantes como eu precisam usufruir de um estágio no exterior por diversos motivos: fazer experimentos que não podem ser feitos no Brasil, explorar uma nova cultura, treinar autonomia, conviver com outros pesquisadores...

No retorno minha mala só tinha presentes e reagentes. Amo o Brasil, mas minha experiência Americana foi arretada!

Post de Grace Kelly da Silva

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Produção e Caracterização de Eritrócitos Humanos Produzidos in vitro

Fonte: Adaptado de Griffiths et al., Blood. 2012 Jun 28;119(26):6296-306.

Durante o Congresso da Sociedade Internacional de transfusão sanguínea que ocorreu de 7 a 12 de julho deste ano em Cancun no México, um dos temas bastante discutidos foi a produção e caracterização de eritrócitos humanos produzidos in vitro. Muitas são as razões para que esse tema seja relevante, dentre elas, podemos citar o aumento da taxa de transfusão sanguínea em indivíduos acima de 50 anos, cuja expectativa de vida tem aumentado nas últimas décadas, o problema perene de possibilidade de transmissão de doenças infecciosas por transfusões e a falta de estoques suficientes nos bancos de sangue. Na África subsaariana, por exemplo, cerca de um terço das mulheres que sofrem hemorragia durante o parto morrem, porque eritrócitos não estão disponíveis para transfusão.

Claramente, existe uma necessidade de alternativas para obtenção de eritrócitos por outra via que não a doação nos bancos de sangue. Uma das alternativas que vem sendo estudadas é a geração de eritrócitos transfundíveis a partir de células-tronco cultivadas in vitro em laboratório.

Alguns progressos importantes têm sido feitos. Em 2011, a equipe do Dr. Luc Douay do Serviço de Hematologia e Imunologia do Hospital Saint Antoine em Paris na França publicou na revista Blood, estudo mostrando que uma pequena quantidade de eritrócitos autólogos cultivados in vitro a partir de células-tronco adultas do sangue periférico CD34+ sobreviveu na circulação periférica de um voluntário do sexo masculino. Esse experimento constituiu-se na prova de princípio que eritrócitos humanos viáveis podem ser gerados a partir de células-tronco cultivadas in vitro em condições de boas práticas de manufaturação.

Um análise mais detalhada desses eritrócitos produzidos em laboratório revela que a maioria é constituída por reticulócitos em estágio tardio (reticulócitos R2) e não por eritrócitos maduros. Eles têm um volume celular médio maior, são menos deformáveis do que os eritrócitos e retêm organelas citoplasmáticas. Contudo, essas células têm um conteúdo normal de hemoglobina A e expressam todos os antígenos de grupo sanguíneo encontrados em eritrócitos normais. Elas também mantêm a expressão de CD36 e CD98 e se assemelham aos reticulócitos liberados da medula óssea na circulação periférica durante a eritropoiese normal.

A disponibilidade de se obter reticulócitos cultivados em quantidades de mililitros permite um estudo detalhado do processo de maturação de reticulócitos a eritrócitos. Já se encontra bem estabelecido que o reticulócitos precisa perder cerca de 10-15% de sua membrana plasmática, reduzir seu volume e expelir todas as organelas internas remanescentes para se transformar em eritrócitos. Entretanto, os mecanismos que promovem essas alterações ainda não estão claros. Em estudo publicado on-line em abril desse ano na revista Blood o grupo coordenado pelo Dr. David J. Anstee do Bristol Institute for Transfusion Sciences do Reino Unido elucidou uma parte desse mecanismo.

Diz o Dr. Anstee: “Nós examinamos reticulócitos cultivados in vitro,  usando microscopia confocal, após permeabilização da membrana plasmática para permitir a detecção de organelas intracelulares residuais. Nossos resultados revelaram que a membrana plasmática é incorporada no citosol dos reticulócitos por endocitose, onde forma grandes vesículas que se fundem com autofagossomos, contendo organelas remanescentes, como o aparato de Golgi e mitocôndria. Esses autofagossomos se fundem com os lisossomos, resultando em autofagolisossomos, que por sua vez, se fundem com a membrana plasmática, liberando seu conteúdo por exocitose.”

Ainda sobre os experimentos, o Dr. Anstee declara: "Esse processo explica a remoção das organelas remanescentes, mas nao define a perda da membrana plasmática. Entretanto, protuberâncias da membrana (“blebs”) são observadas em uma determinada proporção dos reticulócitos cultivados, sugerindo que a perda da membrana ocorre por meio desse mecanismo. Vesículas citosólicas contendo membrana plasmática e pequenas protusões de membrana plasmática também são observadas em reticulócitos circulantes no sangue periferico de pacientes esplenectomizados, sugerindo que a maturação final de reticulócitos a eritrócitos in vivo envolve passagem através do baço em um indivíduo saudável."

Esses resultados trazem evidências de que a produção de eritrócitos cultiváveis in vitro para terapia é um propósito alcançável no futuro. Atualmente, o principal desafio é desenvolver um processo capaz de produzir esse tipo de eritrócitos em quantidades terapêuticas.


- Griffiths RE, Kupzig S, Cogan N, Mankelow TJ, Betin VM, Trakarnsanga K, Massey EJ, Parsons SF, Anstee DJ, Lane JD. The ins and outs of human reticulocyte maturation: Autophagy and the endosome/exosome pathway. Autophagy. 2012 Jul 1;8(7).

- Griffiths RE, Kupzig S, Cogan N, Mankelow TJ, Betin VM, Trakarnsanga K, Massey EJ, Lane JD, Parsons SF, Anstee DJ. Maturing reticulocytes internalize plasma membrane in glycophorin A-containing vesicles that fuse with autophagosomes before exocytosis. Blood. 2012 Jun 28;119(26):6296-306.

Giarratana MC, Rouard H, Dumont A, Kiger L, Safeukui I, Le Pennec PY, François S, Trugnan G, Peyrard T, Marie T, Jolly S, Hebert N, Mazurier C, Mario N, Harmand L, Lapillonne H, Devaux JY, Douay L. Proof of principle for transfusion of in vitro-generated red blood cells. Blood. 2011 Nov 10;118(19):5071-9.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

O estudo da coevolução pode auxiliar no controle de doenças infecciosas?

Para responder a esta questão, partimos primeiramente de uma reflexão a respeito da relação patógeno-hospedeiro. Tentamos ir além dos preconceitos e equívocos existentes, usando a evolução como pano de fundo para enxergarmos essa complexa relação ecológica.

Um bom exemplo de coevolução é a microbiota intestinal de mamíferos, tão abordada recentemente, que é constituída de trilhões de microrganismos (Windsor, 1998; Gallo & Hooper, 2012). Estes estabelecem uma relação simbiótica para a sobrevivência de ambas espécies, tendo uma contribuição essencial para o metabolismo dos mamíferos na nutrição e proteção contra organismos patogênicos. A quebra dessa relação pode ocasionar diversas patologias, tais como bacteremia ou inflamação crônica (Hooper & Macpherson, 2010).

O melhor entendimento desse processo de quebra da homeostasia na interação patógeno-hospedeiro, bem como da resposta desencadeada mediante este desafio, se dá por meio da observação  isonômica das macro- e micro-relações envolvidas.

Para se avaliar as macro-relações, é necessário realizar a observação do contato entre parasitos e hospedeiros in natura, o papel dos reservatórios no contexto, as modificações ambientais induzidas pelo homem, uma vez que tais são potenciais fatores de risco na quebra da harmonia destas relações. Como exemplo, podemos citar a construção de usinas hidrelétricas, parques, clubes e praças esportivas proporcionam maior contato da população com a natureza, levando ao desequilibrio das interações, que podem resultar em surtos de doenças infecciosas ocasionadas por aumento de contato com reservatórios epidemiológicos e insetos/artrópodes vetores. Quanto as micro-interações, é necessário uma avaliação minuciosa das mecanismos de virulência dos patógenos, bem como dos fatores desencadeados pelas células imunes mediante os desafios, buscando a compreensão dos motivos que levam a quebra homeostática da relação entre ambas espécies.

Portanto, para se controlar as doenças infecciosas, é importante considerar as diferentes trajetórias evolutivas de cada espécie envolvida, as vias de transmissão utilizadas, bem como os aspectos ecológicos implícitos, para se ter a exata noção da complexa relação que se estabelece, buscando-se assim intervenção mais precisa (e menos empírica) no contexto da patologia induzida.

Neste sentido, vale aqui uma reflexão: Afinal, os patógenos são sempre os vilões da história??

Referências Bibliográficas:

- Windsor, D. A. Controversies in parasitology: Most of the species on Earth are parasites. International Journal for Parasitology. v. 28, p. 1939-1941, 1998.
- Hooper, L. V. & Macpherson, A. J. Immune adaptations that maintain homeostasis with the intestinal microbiota. Nature Reviews Immunology, v. 10, p. 159-169, 2010.
- Gallo, R. L. & Hooper, L. V. Epithelial antimicrobial defense of the skin and intestine. Nature Reviews Immunology, v. 12, p. 503-516, 2012.

Post por:
Caroline Martins Mota, Cecílio Purcino da Silva Souza Neto, Helena Maria Caleiro Acerbi Penha, Lourenço Faria Costa, Patrício da Silva Cardoso Barros, Thaise Lara Texeira.

Texto elaborado como parte integrante da disciplina "Relação Patógeno-Hospedeiro" (IPA63), Programa de Pós-graduação em Imunologia e Parasitologia Aplicadas, Universidade Federal de Uberlândia, coordenada por Prof. Tiago Mineo e Prof. Matias Szabó.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Viva Ribeirão

Os estudantes de Ribeirão Preto me convidaram pra participar de um workshop que eles organizaram como parte final do Curso de Inverno em Imunologia. Pediram pra que eu desse duas palestras, uma sobre o meu trabalho e outra sobre um assunto de minha escolha. Fiquei muito animado em rever meus amigos e conhecer essa turma nova que acompanho no blog.  Já tinha até antecipado num post anterior que iria a Ribeirão, que andava sonhando com o chope do Pinguim, porque tinha andado por uns lugares very estoporentos recentemente. No ato me corrigiram, disseram que Ribeirão tem um clima senegales, e que refresco mesmo só o tal do chope do Pinguim. Pois, bem, só pra contrariar: estava frio quando cheguei. Ártico, coisa de 14C. Falei no primeiro dia  sobre o que o pessoal do meu laboratório esta fazendo em microbiota e cancer. Houve bastante interesse e participação. No último dia falei sobre um assunto que me interessa muito que é o falar em publico sobre resultados cientificos, assunto do meu primeiro post aqui no blog. Acho que o pessoal gostou tambem, mas foi meio “ensinar padre a rezar missa”, uma vez que eles apresentaram muito bem suas próprias palestras (ver abaixo).
Conclusão (aqui em alto e bom som): os meninos de Ribeirão são ótimos. Vi o que vi na China: interesse, vontade, brilho nos olhos. Gente falando a língua corrente, questionando, em dia com a literatura, com as técnicas modernas.  Vi mais de 50 apresentações.  Vi gente trabalhando em sepse, em inflamossoma, em Tregs, em microRNA, em Leishmania, em dengue, em  cancer, em bioinformatica. So não vi ninguém fazendo bicho, mas isso vai acabar rapidinho porque vamos trazer gente aqui pra aprender. Repito: todas apresentaçoes, todas, muito bem feitas. Muita gente aqui não faz igual. Não, não é  Yale, nem Harvard, mas é bem melhor que a Noruega, nossa prima tão recente...  Palmas pra eles, palmas pra João Santana, pra Fernando Cunha, pra Dario Zamboni e pro resto do corpo docente. 

Em Ribeirão encontrei Tiago Mineo, o nosso chefe do blog, e devo dizer que ao vivo ele é muito mais simpático do que parece no icone dele. Lá, ele parece estar possuido de uma vontade incomensurável de lhe dar uma mordida.  Tiago deu uma palestra muito boa sobre Toxoplasma e Neospora, e ao responder a uma pergunta, me veio com a uma estória que o parasito dá uma reboladinha...Acredite, só no Brasil.... Também estava la minha querida Cris Bonorino, simpatia 24/7, que me ensinou um ditado gaúcho ao qual me afeicionei imediatamente: “mais perdido que cuspe em procissão”. Pérola essa só comparavel a outra de João Santana, que ao discorrer sobre o saber de uma conhecida disse que “a tal fulana não sabia fazer o ó com uma xícara”...Ri muito com essas estórias.... Conheci muitas pessoas legais, algumas delas veteranas do blog:  Grace Kelly,  Panda, Renata, Fabiane, Vanessa, Ze Carlos, Vania, Gabi, Luciana, Manuela, Tiago, Cassia, Lais, Gabriela, Diego, pessoal que esta começando agora e que vai ser capa de revista (eu fotografei primeiro, aqui).  Tambem gostei muito de conhecer Gustavo Garlet e Silvia Boscardini, gente nova, gente finíssima, que está montando seus proprios grupos de pesquisa. Encontrei, raspando, meu querido Fernando Cunha, abracei Sergio Ferreira, e conheci Maria Fernanda e Ana, que fizeram tudo pra minha viagem ser perfeita. A todos eles e elas, meu sincero muito obrigado. Gostei demais, e quero voltar a Ribeirão, o que farei num instante, se chamado de novo. Por fim um abraço muito especial pra João, que além de botar o povo todo pra trabalhar, me levou de carro pros cantos, e pagou meu chope no Pinguim.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Yale in Rio

Prezados estudantes e professores,

Tenho o prazer de anunciar duas conferências extras do "Seminário Integrado dos Programas de Microbiologia e de Imunologia e Inflamação".

Prof. Richard Bucala, Yale University: "MIF: A Most Interesting Factor."
Quarta-feira (25/07), ao meio dia no anfiteatro do Instituto de Microbiologia.

Prof. Ruslan Medzhitov, Yale University: "Inflammation in health and disease."
Sexta-feira (27/07), ao meio dia no anfiteatro do Instituto de Microbiologia.


Marcelo Bozza

©SBI Sociedade Brasileira de Imunologia. Desenvolvido por: